Roda de Conversa sobre sexualidade infantil

Nem sempre é fácil lidar com as questões que as crianças trazem em relação à sexualidade, pois muito facilmente nossos sentimentos, desejos, necessidades, dificuldades e pré-conceitos se misturam com os delas.

Discriminar o que é nosso, o que é da criança e o que é da cultura é essencial para que a criança possa ter sua curiosidade saciada e sua sexualidade exercida de modo seguro e saudável, de acordo com cada etapa do desenvolvimento.

Esse trabalho, que envolve uma dose mínima de autoconhecimento, é potencializado quando mães, pais e educadores podem compartilhar entre si dúvidas e situações enfrentadas – ou que temem enfrentar – no que tange à curiosidade e as manifestações sexuais expressas pelas crianças.

Para acolher estas questões, o Ninguém cresce sozinho realizará nos dias 10 e 17 de junho de 2015 uma Roda de Conversa sobre sexualidade infantil. Nesses dois encontros, os participantes terão a oportunidade de tirar dúvidas e refletir sobre o desenvolvimento da sexualidade infantil até os 6 anos, suas principais manifestações e os comportamentos que merecem atenção especial.

Os encontros acontecerão das 19:30 às 21:30 horas, à Rua Dr. Cândido Espinheira 655, Perdizes, São Paulo.

Investimento: R$190,00 por pessoa.

Inscrições: ninguemcrescesozinho@hotmail.com ou (11) 98261-1111 (Claro) / 98596-9402 (Tim)

RC sexualidade infantil

Segredos de família: vale à pena mantê-los?

Os motivos que levam uma família a manter um segredo, às vezes atravessando gerações, são sempre singulares. No entanto, todo segredo tem em comum a dificuldade de um ou alguns dos membros da família em lidar com o que há de mais íntimo naquilo que não pode ser revelado.

Isso significa que a dificuldade não está na adoção, na fertilização artificial, nas traições, nos abusos de diversas naturezas, nas mortes e abortos, nas opções sexuais ou qualquer outro segredo em si, mas sim nas fragilidades, frustrações e relações de impotência e poder que alimentam e mantêm o segredo vivo – muitas vezes, apagando pouco a pouco alguns ou “tocando fogo” em outros. Explico.

Um segredo de família tem sempre dois pesos, o de quem o sustenta e o de quem não pode conhecê-lo, e muitas medidas, que são as consequências diretas e indiretas daquilo que não pode ser dito.

O que não pode ser dito fica circulando feito um fantasma, “assombrando” um ou vários membros da família através de medos, hiperatividade, falta de concentração, dificuldade de aprendizagem, insônia, embotamento, entre outros. Muitas histórias são distorcidas ou omitidas, levando aqueles que mantêm o segredo na eterna vigilância ansiógena de cerrar a boca e o coração. A perda de confiança e insegurança se instauram. Os que são impedidos de ter o segredo revelado ficam sem conhecer pelo menos uma parte de sua história. Injusto, não?

Manter um segredo pode parecer uma grande injustiça, mas no mundo dos afetos, justiça é aquilo que regula as relações. Esse regulador sempre vai depender dos sentimentos e fantasias envolvidos em cada situação. Um segredo se instala e se perpetua não por uma questão de injustos que desejam guardar algo para si, mas pela complexidade de sentimentos contraditórios envolvidos desde sua origem, e pelas fantasias perturbadoras que o sustenta. O portador do segredo sofre, e por isso precisa de ajuda para lidar com a desilusão de uma situação que não se mostrou perfeita. Ele precisa de ajuda, muitas vezes antes daquele que manifesta algum sintoma (em geral a criança).

Uma adoção não se torna segredo quando os pais podem lidar com a desilusão da maternidade biológica. Uma fertilização não se torna segredo quando o luto pela impossibilidade da concepção natural pôde ser suportado. Abusos não se tornam segredos quando existe potência para ir contra eles. Mortes e abortos não se tornam segredos quando é possível compreender os limites da vida. Bastardia, traições e homossexualidade não se tornam segredos quando a existência de desejos e diferenças são aceitas.

Segredos têm uma brutal delicadeza – machucam pela sua força e seu silêncio; cutucam eterna e lentamente. Segredos mantêm regulada a ordem estabelecida na família (mesmo que a ordem tenha um tanto de desordem). Segredos, quando não são aqueles segredinhos temporários que se cochicha no ouvido, são nocivos porque sustentam a ilusão da perfeição. Não somos perfeitos; precisamos saber e aceitar isso – e transmitir essa ideia a nossos filhos.

Tenho medo que meu filh@ seja gay

Temos recebido nos comentários dos posts que abordam a sexualidade infantil muitos relatos de cenas com criança beijando um amiguinho, ou esfregando, cheirando e/ou manipulando o genital ou ânus de outra criança de mesmo sexo e idade. Estas cenas causam espanto e dúvida a muitos pais, que se perguntam e nos questionam: “Tal situação pode dizer algo sobre a orientação sexual de meu filh@?”; “Meu filh@ pode ser/tornar-se gay?”.

Curiosas por natureza, e em contato com a diversidade, as crianças, por volta dos três anos, começam a querer saber a origem de tudo e os porquês, incluindo as questões de cunho sexual. Além da auto-exploração corporal, que se intensifica nesta fase da vida, é comum as crianças repetirem nas brincadeiras comportamentos adultos e experimentarem a troca de papeis. Como na brincadeira, a fantasia não encontra limites, a representação dos universos masculino e feminino aparece sem obstáculos: dois meninos ou duas meninas podem se beijar e se acariciar; querem ser a mulher/homem na relação, independentemente de seu sexo, e, muitas vezes, desejam se vestir e “ser” como o sexo oposto.

Desde que não estejam vulneráveis e expostas a fatores agressivos, como a coação, as brincadeiras e manifestações sexuais infantis têm caráter exploratório e não revelam a orientação sexual da criança. O que está em jogo para as crianças é a curiosidade e a busca pelo entendimento sobre as diferenças que as pessoas e o mundo lhes apresentam.

No entanto, sabemos que muitas crianças estão apresentando brincadeiras e comportamentos que fogem do aspecto puramente exploratório esperado em cada faixa etária. É preciso ficar atento à exposição precoce a conteúdos sexuais adultos e também à vulnerabilidade sexual infantil, que colocam as crianças diante de experiências que desrespeitam sua imaturidade biológica e psíquica.

Se a curiosidade e a exploração fazem parte do desenvolvimento saudável das crianças, por que alguns pais se incomodam quando se deparam com tais vivências de seus filhos e com a possibilidade de escolha sexual destes? Consideremos alguns aspectos relevantes.

Em uma sociedade que por muitos anos definiu os papeis de homem e mulher, masculino e feminino, de um modo muito rigoroso, a diversidade sexual, ainda é um tabu para muitos, o que leva adultos a negá-la e rejeitá-la.

A diversidade – e portanto as diferenças – aciona nossos pré-conceitos pessoais e sociais, acendendo nosso olhar pejorativo e discriminatório. Em busca de um dito padrão de “normalidade”, e quase sempre incomodados com os julgamentos e retaliações que eles próprios e seus filhos possam vir a sofrer, pais se angustiam com o fato de seus filhos poderem ser “diferentes” daquilo que imaginaram ou do que seu ambiente espera.

É comum pais, na ânsia de formar seus filhos de acordo com seus princípios e valores, esquecerem de colocar seus ideais e expectativas em uma posição que permitam seus filhos construírem sua própria identidade, descoladas das deles. Revela-se, assim, fortemente o desejo dos pais em relação à orientação sexual e aos papéis sociais que serão desempenhados pelos seus filhos no futuro. Diante da possibilidade de algo “dar errado” ou “sair fora daquilo que esperavam e desejavam”, instala-se no adulto o medo e culpa, além de frustração e, em alguns casos, rejeição e sentimento de fracasso. Neste sentido, é preciso que os desejos dos pais em relação aos desejos dos filhos sejam separados e entendidos individualmente para que a criança não seja sufocada em suas possibilidades e escolhas, seja ela qual for.

Pai, mãe e outros adultos de referência são modelos importantes para as crianças, positiva ou negativamente. Meninos se identificam com pai e gostam de outros homens desejando ser igual a eles, mas também se identificam com a mãe e as têm como referência.  Um paradigma existente em toda formação de identidade. A partir de um espelho – feminino e masculino – e das vivências tidas na infância, vão construindo a identidade sexual.

Frente às experiências vividas pelas crianças, muitos adultos têm dificuldade em olhar para a curiosidade e a manifestação sexual infantil sob o ponto de vista da criança. Atravessados pelos estereótipos sociais e carregados pela própria história e educação que receberam, muitos pais se enroscam no discurso e/ou em atitudes que confundem a si próprios e, por consequência, a criança.

Falta de informação, vergonha, culpa e outros sentimentos impedem muitos adultos de tratarem a sexualidade das crianças como algo natural. Na tentativa de querer “corrigir” comportamentos infantis (ao invés de compreendê-los) criam conceitos e regras que impedem a criança de experimentar e descobrir coisas e conceitos sobre a vida e tudo que ela lhe mostra de diferente. Ou ainda, criam rótulos com os quais a criança às vezes tem que carregar por toda vida, sem compreender qual o seu sentido.

Uma coisa sabemos e podemos compartilhar: a definição sexual de um indivíduo se dá pela interação entre fatores biológicos e ambientais bastante diversos e complexos. Por isso, podemos dar como certo que as brincadeiras – sozinhas – não definem a orientação de sexual de um indivíduo. Antes de induzir qualquer significado em determinados comportamentos infantis é preciso entender que através do livre brincar, crianças experimentam, aprendem e matam a curiosidade sobre vários aspectos existentes no mundo que a cerca.

__________________________________________________________________________________________

O Ninguém cresce sozinho oferece Rodas de Conversa sobre sexualidade infantil. Para saber quando elas acontecem, consulte nossa Agenda.

__________________________________________________________________________________________

Vem pra Roda!

Há três anos nascia o Ninguém cresce sozinho. Desde lá, nosso objetivo tem sido compartilhar informações e trazer reflexões sobre questões enfrentadas no infindável, complexo e dinâmico processo de tornar-se mãe/pai e educar uma criança, da gestação aos 6 anos de idade.

Nesses anos, nossos textos pulverizaram-se em diversos canais, assim como espalhamos, ao lado deles, outros muitos, de distintas autorias, em nossas redes sociais – Facebook, Twitter, Google+ e Pinterest. Fizemos gostosas parcerias e trocas sempre muito interessantes (é só ler os comentários que ficam no final de cada texto!).

O espaço virtual, grande e plural, ficou pequeno para questões mais íntimas e singulares.

Para acolher essas questões, estamos iniciando, neste terceiro aniversário, as Rodas de Conversas Ninguém cresce sozinho.

RC NCS home

Cada Roda, com 1, 2 ou 3 encontros grupais e um tema específico, é destinada a mães, pais e educadores. Em nossa Agenda você encontra a programação desses encontros e de outros encontros.

Todos leitores e seguidores estão convidados a entrar na Roda!

 Venham!

{Quem preferir um espaço mais privado ainda, também oferecemos. Confere aqui.}

O menino e a árvore

Não deve existir árvore que não ame um menino. Não deve existir um menino que não ame uma árvore. Parece que árvore e menino sempre foram feitos um para o outro, coisa de amor verdadeiro; coisa de ‪#‎infancialivre‬.

Mas o apelo ao consumo parece que encurta a infância, levando meninos a querer comprar muitas coisas, muito cedo na vida. Coisas que não dão em árvore; coisas que às vezes afastam seres que se amam.

Parece que só quando a idade avança é que isso é percebido, já quando a árvore só é um toco, acolhedor, mas apenas um toco – sem tronco, sem galhos, sem frutos, sem sombra.

‪#‎pararefletir‬ sobre mais uma data criada para vender, ‪#‎recomendamos A árvore generosa, de Shel Silverstein, editora Cosac Naify. Um livro lindo, que fala de amor, amizade, simplicidade, livre brincar, crescimento e tantas outras profundidades da vida.

18 de março, Dia do Consumidor. 18 de março, e todos os outros dias, dia de pensar que criança precisa de árvore, muita árvore! ‪#‎criançaprecisasercriança‬.

Para saber o que escrevemos sobre consumismo, clique aqui.

Para saber mais sobre o que rola na rede sobre o consumismo infantil, sugerimos a página do Movimento Infância Livre de Consumismo.

capa ARVORE.indd

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 563 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: